• Apenas correspondências exatas
    Pesquisar no título
    Pesquisar no conteúdo
    Procurar nas Páginas
    Pesquisar em páginas

Patrimônio Cultural

Patrimônio Cultural

Patrimônio é tudo aquilo que nos pertence. É a nossa herança do passado e o que construímos hoje. É dever de todos nós, preservar, transmitir e deixar todo esse legado às futuras gerações

Casa da Cultura Aluízio Barbosa Martins

Tombada pela Lei Orgânica do Município de Vespasiano de 2001

Construído na década de 20, por Alicina de Assis Duarte e seu marido Cristóvão Dias Duarte, este sobrado tornou-se esteticamente um cartão postal da cidade. De arquitetura neocolonial arrojada, acabamento aprimorado, o sobrado abrigou famílias que fizeram parte de nossa história. Em 1945, o prédio foi adquirido pelo Sr. João Silva, político atuante, que na época da emancipação da cidade, em 27 de dezembro de 1948, alugou o casarão para instalação da Prefeitura e da Câmara Municipal que ali ficou por alguns anos até se transferir para sua sede própria. Assim o prédio foi sede do Primeiro Executivo Municipal, constituído após a emancipação político-administrativa, em 1948.

Na administração do Prefeito Marconi Issa, o prédio foi adquirido pela  Prefeitura para abrigar o Museu vespasianense. Hoje, ele funciona como  “Casa da Cultura” abrigando dois museus: o Museu Histórico Dona Marianna da Costa e o Museu do Folclore Saul Martins.

O casarão foi testemunha do cotidiano das famílias que deixaram ali suas memórias, de importantes decisões políticas que alí foram tomadas e negócios que decidiram a vida comercial do lugar.

O sobrado constitui-se em uma referência  rica da sociedade de uma época, permanecendo como marco da memória social e cultural. Através da Lei 2.324/2009 a Casa da Cultura recebeu o nome de Aluizio Barbosa Martins, o “Nô do Funil” perpetuando o nome desse amante da cultura vespasianense no templo que simboliza e abriga as tradições e a cultura do município.

Prédio do Antigo Grupo Escolar Coração de Jesus

Tombado pela Lei Orgânica do Município de Vespasiano de 2001

Inaugurado em 13 de maio de 1919, o “Coração de Jesus” como é chamado pelos vespasianenses, representou o marco inicial da educação formal no Município. O prédio abriga atualmente a Secretaria Municipal de Educação e continua majestoso eimponente,fazendo parte do conjunto arquitetônico da Praça da Igreja Matriz.

O prédio figura no espaço como uns dos remanescentes das edificações do antigo Arraial do Capão, sobrevivendo às renovações em virtude do crescimento urbano. O valor simbólico da edificação resguarda-a das modificações, mantendo a história e a identidade coletiva, sendo um registro do cotidiano familiar da vida social e cultural de várias gerações de cidadãos vespasianenses.

Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A capela foi edificada em 1936 por iniciativa de Dona Maria José da Fonseca Viana, a Dona Zezé da Fazenda do Barreiro. Movida pela fé e compromisso com a religião católica, Dona Zéze mandou construí-laem honra a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Santa de sua devoção. Situada à Rua Dr. Ary Teixeira no centro da cidade a igreja foi construída por João Lourenço, pedreiro e artista da época.

A capela foi construída, principalmente para abrigar, durante a Semana Santa, a imagem deNosso Senhor dos Passos. Naquela época aprocissão que conduzia a imagem era feita até a capelinha do Fagundes, o que tornava muito longo o trajeto por interligar bairros distantes entre si. Essa procissão, realizada até os dias atuais, conduz o Senhor dos Passos, na segunda-feira da Semana Santa, da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Lourdes para a Capela de Nossa Senhora do PerpétuoSocorro, ficando sob a vigília dos fiéis até a quarta-feira das Dores, quando sai em procissão para o encontro entre Mãe e Filho, retornando para a Igreja Matriz.

A Capela faz parte do cotidiano da população local e suas celebrações, ao longo do tempo, retratam até os dias atuais, a religiosidade dos cidadãos do município.

Patrimônio Imaterial - Boi da Manta

Nos antigos tempos das tropas, por aqui passavam todos os que vinham do sertão e do norte de Minas. Margeando o Rio das Velhas, vinham em busca de novos empreendimentos. Gente da Bahia, gente do nordeste, gente que foi deixando, pelo caminho, muito da sua cultura e da sua tradição.

O boi da manta é uma dessas tradições que parece ter vindo com o pessoal que descia da Bahia pelo Rio São Francisco/ Rio das Velhas.

Em Vespasiano, tudo começou como uma brincadeira entre os empregados de engenho de cana-de-açúcar, na antiga fazenda do Barreiro. Após a lida, os homens apanhavam mantas e com elas cobriam balaios virados de boca para baixo e nas extremidades penduravam caveiras e rabos de boi.

O boi deixou o terreno da fazenda, ganhou estrada e tomou a praça. O tempo trouxe bonecos gigantes vestidos de chitão e caricaturas de pessoas ilustres do município. Toda a movimentação é acompanhada pela Corporação Musical Nossa Senhora de Lourdes que há vários anos anima o desfile pelas ruas da cidade.